Nomeado por

Ana Vieira

sem nomeações

Luís Noronha da Costa

(Lisboa, 1942) Vive e trabalha no Estoril.

Cursou Arquitetura na Escola Superior de Belas-Artes de Lisboa, entre 1959 a 1968, no mesmo ano recebe a menção honrosa do Prémio Soquil. Em 1969 é lhe atribuído o Grande Prémio Soquil. A sua obra é aclamada desde o inicio do seu percurso, como sendo, vanguardista recebendo a atenção imediata dos seus pares e público de arte.

Ás honras a Noronha da Costa, acrescentam-se o prémio da AICA / MC, Lisboa (2003), a retrospectiva no Centro Cultural de Belém, Lisboa (2003), retrospectiva na Fundação Calouste Gulbenkian (2002), Prémio Europeu de Pintura do Parlamento Europeu (1999), na década de 60 conquistou os principais prémios nacionais e representou Portugal nas embaixadas artísticas - Bienal de Veneza (1970) e a Bienal de São Paulo (1969).

A sua obra encontra-se representada em colecções públicas e privadas - Banco Espirito Santo, Lisboa; Banco Internacional de Crédito, Lisboa; Banco Português de Investimento, Lisboa; Banco Português de Negócios Lisboa; Banco Totta e Açores, Lisboa; Caixa Geral de Depósitos, Lisboa; Deutsche Bank, Lisboa, Centro de Arte Moderna da Fundação Calouste Gulbenkian; Museu de Arte Contemporânea de Serralves, Porto; Museu Nacional do Chiado, Lisboa; Museu do Oriente, Lisboa; Museu Amadeo de Souza Cardoso, Amarante; Centro Cultural de Belém, Lisboa; Coleção Palácio de Buckingham, Londres; Fundação António Prates, Lisboa; Fundação Berardo, Lisboa; Fundação Cupertino de Miranda, Vila Nova Famalicão; Fundação Oriente, Lisboa; Fundação Arpad-Szenes, Lisboa; Coleção Arte Moderna Gerardo Rueda, Matosinhos; Coleção Estado Português, Lisboa; Coleção de Arte Moderna Gerardo Rueda, Madrid.

Destacam-se das exposições individuais: (2014) Uma Homenagem”, Galeria São Mamede, Lisboa; (2013) Fundação Manuel de Brito, Oeiras; (2011) “La Imagem Elegante”, Fundação Arpad Szenes-Vieira da Silva, Lisboa; (2009) “Obra recente: pintura e objetos”, Galeria António Prates, Lisboa; (2007) “Elementos primordiais: Espaço, Imagem, Luz”, Galeria Nasoni, Porto, “Noronha da Costa em Coimbra”, Galeria Sete, Coimbra. Participou também em inumeras exposições colectivas, em galerias, museus e bienais nacionais e internacionais.

Foi em 1970 o representante de Portugal na XXXIV Bienal de Veneza; e em 1969 representa Portugal na X Bienal de São Paulo.

Top